Exclusivo: Fundo cobra R$ 40 milhões de Igreja Universal e Band

Amélia 07/10/2020 04:10 Relatar

Um fundo que, entre outras operações, compra dívidas de empresas, entrou na Justiça para cobrar da Band e da Igreja Universal uma suposta dívida de mais de R$ 40 milhões. O caso está na 23ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo e esta coluna teve acesso a ele com exclusividade.

O fundo, chamado Distressed Fundos de Investimento em Direitos Creditórios Não Padronizados, acusa a igreja e emissora de terem criado uma "manobra" para evitar que cinco parcelas, de mais de mais R$ 8 milhões cada, fossem pagas a ele.

As parcelas são devidas, na verdade, pela Band —que recebeu um "empréstimo" milionário do fundo anos atrás. Como garantia de pagamento os credores dizem que a Band "empenhou" as parcelas mensais que recebe da Igreja Universal pelo arrendamento do canal 21.

O total passa de R$ 40 milhões, segundo a ação. Quem representa os credores é o escritório Teixeira Fortes Associados. Ouvidas pela coluna, os departamentos Jurídicos da Band e da Igreja Universal confirmam a existência do processo, mas dizem não dever nada ao fundo e que a situação será esclarecida e resolvida pela Justiça.

A Igreja Universal diz não ter nenhuma relação com os acordos entre Band e fundo (veja as notas oficiais ao final do texto). Vamos ao caso, que é um tanto complexo. O fundo compra dívidas de empresas, entre outros investimentos.

Ele teria adiantado uma verba milionária à Band anos atrás (o valor total não foi revelado na ação). Em troca, a emissora deu de garantia aos credores os pagamentos que a Igreja Universal lhe az mensalmente pela ocupação do canal 21. Essas parcelas, diz o fundo, não podem ser usadas em outras finalidades. São a garantia.

Desde junho, porém, esse dinheiro parou de cair na conta a qual o fundo fazia os descontos. Cada parcela tem o valor exato de R$ 8.237.608,06. Em termos duros na ação de cobrança, o fundo acusa as duas pessoas jurídicas de se unirem para prejudicá-lo e para a emissora não pagá-lo ou atrasar o pagamento da dívida.

A ação de cobrança diz que a Universal sabia desse contrato. Na ação, o Distressed afirma que a Band "orquestrara um golpe financeiro contra o Fundo autor e outras casas bancárias, visando desviar para si os pagamentos de créditos pelos quais já havia recebido (em empréstimo)".

Há uma outra ação específica contra a Band no caso. E outra para a Igreja Universal, que é esta que está na 23ª Vara. A entidade religiosa afirma que o contrato de "empréstimo" (ou compra da dívida) foi assinado pelo fundo com a Band, e não com ela. Diz ainda que seu acordo é com o canal 21, uma pessoa jurídica completamente distinta do da Band.

Não há data prevista para a análise e julgamento da reivindicação pela Justiça. Os fundos que compram dívidas de empresas (e até de países) são relativamente comuns no mercado.

Parte do conteúdo do artigo é proveniente da Internet. Se seus direitos de privacidade forem violados, o site será processado o mais rápido possível. Relatar
Artigos recomendados

©2020 didiadidia.com. All Rights Reserved. Sobre nós Política e segurança Termos Privacidade Direitos autorais

Isenção de responsabilidade:Este site opera enviando artigos em tempo real e não assume nenhuma responsabilidade legal pela autenticidade, integridade e posição de todos os artigos. O conteúdo de todos os artigos representa apenas as opiniões pessoais do autor e não é a posição deste Site. Os usuários devem julgar a autenticidade do conteúdo. O autor possui os direitos autorais do artigo publicado neste site. Como este site é restrito pelo modo de operação "publicação em tempo real", não podemos monitorar completamente todos os artigos. Se os leitores encontrarem problemas, entre em contato conosco. Este site tem o direito de excluir qualquer conteúdo e recusar qualquer pessoa a publicar artigos neste site e também o direito de não excluir o artigo.Não escreva palavrões, calúnia, violência pornográfica ou ataques pessoais, seja disciplinado. Este site reserva todos os direitos legais.
TOP
X
Relatar
Use um endereço de e-mail real. Se não pudermos entrar em contato com você, não poderemos processar seu relatório.