Falsa enfermeira que teria vacinado empresários de BH falando sobre dose: 'É R$ 600'

New York Times 16/04/2021 Relatar Quero comentar

Claudia Mônica Pinheiro é apontada como a mulher que imunizou empresários do setor de transporte em garagem da capital. A Polícia Federal investiga um novo novas provas que comprovaria a vacinação clandestina, realizada por ela. Claudia é apontada como falsa enfermeira – em um prédio de luxo da Região Oeste de Belo Horizonte.

Em um vídeo disponível na internet mostra-se um diálogo entre ela e uma pessoa não identificada, no edifício de luxo em Belo Horizonte. A mulher está vestida com um jaleco branco e leva uma sacola onde estaria a vacina contra a Covid-19. Veja o diálogo da possível falsa enfermeira:

“A gente consegue comprar em laboratório?”, pergunta ele. Cláudia responde que “essa ainda não”. Então, o homem diz: “Ah tá. Mas é barato, não é?”. E Cláudia fala, “é R$ 600”. Veja que o valor mencionado é alto. Segundo o delegado Rodrigo Morais, o vídeo será acrescentado aos autos como mais um elemento de prova.

o morador desse prédio de luxo do bairro Gutierrez, na Região Oeste de Belo Horizonte, disse à Polícia Federal que se vacinou com a falsa enfermeira, pensado ser imunizante contra Covid-19. A corporação trabalha com a linha de investigação de que a vacina é falsa e de que os vacinados foram enganados pela falsa enfermeira.

A pessoa apontada como o indicador dos serviços de vacinação da falsa enfermeira Claudia, o empresário de um haras na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Marcelo Martins de Araújo. Foi ele que teria mostrado a enfermeira a pelo menos três moradores do condomínio, onde cada vacina seria cobrada por R$ 600 pelas duas doses.

Comentário do usuário