O americano abandonado no lixo quando bebê que se tornou milionário da tecnologia

Carlosandre1055 20/02/2021 Relatar Quero comentar

Acolhido por casal de idosos, Freddie Figgers se tornou a pessoa mais jovem nos Estados Unidos e único afro-americano licenciado como operador de telecomunicações. O americano Freddie Figgers construiu uma empresa que vale hoje US$ 62 milhões (R$ 334 milhões). Mas seu caminho para se tornar um milionário não foi nada fácil.

Freddie foi abandonado quando bebê ao lado de latas de lixo na zona rural do Estado americano da Flórida, nos Estados Unidos. "As crianças zombavam de mim; chamavam-me de 'garbage baby' ('bebê do lixo', em português), falavam 'ninguém te ama... você é sujo'. Lembro-me de quando descia do ônibus escolar e as crianças me agarravam e me jogavam em latas de lixo, rindo de mim", disse ele ao programa 'Outlook', da BBC.

"Chegou a ponto que meu pai teve que me esperar no ponto de ônibus e me acompanhar até em casa. E as crianças me perturbavam ainda mais, zombando dele: 'Ha ha! Olha aquele velhote de bengala. 'O pai de Freddie, Nathan, tinha 74 anos e sua mãe, Betty May, 66 quando o acolheram.

Eles tinham seus próprios filhos biológicos e haviam acolhido dezenas de outras crianças ao longo dos anos ? muitas delas enquanto seus próprios pais estavam na prisão ? e planejavam parar quando fossem velhos. Mas de repente Freddie chegou. Ele não tinha ninguém quem o quisesse, então eles o adotaram e o criaram como se fosse seu filho. Quando Freddie começou a fazer perguntas, Nathan contou sua história.

"Ele disse: 'Vou contar sem rodeios. Sua mãe biológica te abandonou e, como eu e Betty não queríamos te mandar para abrigos, nós te adotamos'. Me senti um lixo e sempre me lembro de quando meu pai me agarrou pelos ombros e disse: 'Nunca deixe isso te aborrecer'".

"Meus pais me deram todo o amor que alguém poderia desejar. Eles fizeram tudo por mim. Nunca senti a necessidade de procurar minha família biológica porque minha mãe e meu pai, minha Betty e meu Nathan, eram tudo para mim, eu os amava."

"São ótimas pessoas. Me ensinaram a ser íntegro, a sempre fazer a coisa certa, a nunca esquecer minhas origens. Vi meu pai sempre ajudando as pessoas, parando no caminho para atender estranhos, alimentando os sem-teto...""Ele era um homem incrível e eu quero ser como ele."

Do lixo à riqueza

Nathan tinha dois empregos, como técnico de manutenção. Já Betty May era agricultora e, embora o casal não tivesse muito dinheiro, quando Figgers tinha nove comprou para ele um presente que mudaria sua vida: um computador Macintosh... quebrado.

"Nos fins de semana eu ia com meu pai fazer o que chamamos de 'mergulho no lixo', andando por bairros diferentes em busca de coisas que as pessoas jogariam fora, como diz o ditado: o que é lixo para uns, para outros, é um tesouro."

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário
Você pode gostar