A queda de avião que transformou viagem de lua de mel em aventura pela selva amazônica

Carlosandre1055 25/12/2020 Relatar Quero comentar

Sem nada para comer, a não ser lesmas e sapos, Fitz chegou a ficar à beira da morte. O relacionamento, a sanidade mental e a força física do casal seriam testados ao limite absoluto. Em entrevista ao programa de rádio Outlook, da BBC, Holly conta como eles sobreviveram a tamanha provação.

Holly Fitzgerald e o marido Gerald, mais conhecido como Fitz, estavam casados havia menos de dois anos quando partiram em uma viagem de lua de mel de um ano ao redor do mundo, que tinha como ponto de partida a América do Sul.

Era início da década de 1970, e o casal americano tinha pouco mais de 20 anos na época — ambos estavam perdidamente apaixonados e em busca de aventura.

Fitz havia combinado com o editor do jornal que escreveria artigos semanais sobre a viagem, enquanto Holly seria responsável pelas fotos. No fim do ano de 1972, eles haviam juntado dinheiro suficiente e estavam prontos para embarcar.

No entanto, só após quatro meses viajando pela América do Sul, a verdadeira aventura do casal começaria de fato. Eles estavam na cidade peruana de Pucallpa, quando decidiram conhecer a Bacia Amazônica.

Para isso, o plano era voar até Puerto Maldonado, também no Peru, onde pegariam um barco comercial para descer até Riberalta, na Bolívia. De lá, seguiriam de carona para o Brasil. Mas estavam com o cronograma apertado: tinham dez dias para chegar a tempo de pegar a embarcação, só haveria outra três meses depois.

Pouso forçado

Eles decolaram então em um avião bimotor militar antigo, modelo DC-3, rumo à Bolívia. "Estávamos muito longe da civilização, não havia casas lá embaixo, apenas árvores sobre árvores, uma ondulação de árvores, quase como um oceano verde", descreve Holly. Mas a contemplação da vista aérea da floresta logo seria interrompida:

A aeronave, com 13 pessoas a bordo, acabou fazendo um pouso forçado no meio da selva. "Quando o avião bateu no solo, era tudo lama, uma grama lamacenta, e ele parecia não conseguir frear. Havia uma península de água em volta, e ele colidiu nas árvores da floresta." "A asa quebrou, e o trem de pouso ficou todo amassado", acrescenta.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário
Você pode gostar