Famosas se revoltam com sentença inédita de "estupro culposo" em caso de Mariana Ferrer

Viralizou Na Net 03/11/2020 Relatar Quero comentar

Diversos famosos se revoltaram com a sentença inédita de "estupro culposo" para o empresário André de Camargo Aranha, acusado pela influencer  Mariana Ferrer por estupro. De acordo com o , André foi inocentado em setembro deste ano, já que o crime não é previsto por lei. Segundo o promotor responsável pelo caso, não havia como o empresário saber, durante o ato sexual, que a jovem não estava em condições de consentir a relação, não existindo portanto “intenção” de estuprar. Por isso, o juiz aceitou a argumentação de que Aranha cometeu “estupro culposo”, e, como ninguém pode ser condenado por um crime que não existe, o empresário foi absolvido. 

 publicou a matéria do caso e lamentou. "'Estupro culposo', pqp", escreveu. “'Estupro culposo' não existe", declarou a cantora . "Justiça por Mariana Ferrer", pediu . "Mano, o que o Brasil está virando? 'Estupro Culposo' não existe! Justiça por Mari Ferrer. Um país onde ser MC é crime e um estuprador é inocentado", se revoltou .

 estava inconformada com a sentença e desabafou. "'Não teve a intenção de estupra-lá'. Ahn? Isso existe? Quantas ? Quantas vezes? Quantas vezes mais? Quantos outros medos? Quantas outras agressões? Quantos outros estupros 'sem querer'? Quanto tempo nós temos? Talvez nenhum. Não dá pra esse medo continuar. Quantas escondem o estupro ou a agressão or medo de expor e ninguém acreditar?", escreveu.

 também comentou o sentença. "Vai ficar fácil para criminoso assim, né?", disse. Gkay e o cantor Silva também se manifestaram -- veja os posts abaixo. Até a publicação desta nota, as hashtags "Justiça por Mari Ferrer" e "Não existe Estupro Culposo" estavam em primeiro e em segundo lugar, respectivamente, nos assuntos mais comentados do Twitter. 

Entenda o caso

O caso aconteceu em 2018 no Café de la Musique, em Jurerê Internacional, em Florianópolis. Mariana, que na época tinha 21 anos, apareceu nitidamente grogue em um vídeo subindo escadas com a ajuda de Aranha. Seis minutos depois, ela desce, seguida de Aranha. A polícia só solicitou o material de forma oficial ao beach club meses depois do início das investigações, e a boate alegou que o dispositivo de armazenamento exclui as imagens após quatro dias. Por isso, apesar de a boate ter 37 câmeras de segurança, não foi possível recuperar imagens do resto da noite. Mesmo assim, o vídeo vazado na internet foi incluído no processo.

Em seu depoimento à polícia, Mariana afirmou que teve um lapso de memória e acredita ter sido dopada. A única bebida alcoólica anotada na comanda do bar em seu nome foi uma dose de gim. Mariana era virgem até então, o que foi constatado pelo exame pericial.

Apesar do processo correr em segredo de justiça, foi a própria Mariana que tornou seu caso público pelas redes sociais, em maio de 2019. Segundo ela, foi uma forma de pressionar a investigação que considerava parada devido à influência de Aranha, empresário de jogadores de futebol e empresário conhecido no meio artístico.

Comentário do usuário
Você pode gostar
X
Relatar
Use um endereço de e-mail real. Se não pudermos entrar em contato com você, não poderemos processar seu relatório.