Uma cuidadora, de 33 anos, ocupou irregularmente a casa de uma idosa...

Amélia 10/09/2020 02:49 Relatar

Segundo informações do jornal "El Mundo", Pilar, de 75 anos, era viúva, morava sozinha e contava com a ajuda de uma assistente, Rosa, peruana, há cerca de um mês e meio. A idosa teria morrido em decorrência da covid-19 e teve o corpo cremado, sem que as duas filhas fossem informadas.

Rosana, uma das filhas de Pilar, disse não acreditar na versão contada pela cuidadora e que o caso é muito pior do que se imagina.

"Gostaria de saber o que se passou com a minha mãe. Também tive coronavírus e fiquei 30 dias hospitalizada. Quando soubemos de sua morte, ela já havia sido cremada", contou Rosana. "Acho que minha mãe não morreu naturalmente e vamos fazer todo o possível para esclarecer o que aconteceu. Temos indícios de que ela [a assistente] foi capaz de fazer alguma coisa", completou.

Rosana contou que a sua mãe era acompanhada por uma outra cuidadora, que saiu em fevereiro. Rosa, então, foi recomendada. No início, ela trabalhava apenas duas horas por dia limpando a casa.

"No final de março fui internada por coronavírus, mas mantinha contato diário com minha mãe durante os dias de pico da pandemia. Um dia antes de morrer, ela estava bem e não sabemos o que aconteceu com ela porque o atestado médico indica que minha mãe morreu de possível covid-19", relatou.

De acordo com as primeiras investigações, Rosa disse à agência funerária por telefone que Pilar não tinha família. Ela apresentou autorização para sepultamento do corpo e também forneceu cópia da carteira de identidade de Pilar e dela mesma.

Em depoimento à polícia, o funcionário da agência funerária reconheceu que Rosa contratou o serviço de incineração por telefone devido à excepcionalidade da situação pandêmica que se vivia na Espanha, naquela época.

A cuidadora também usurpou a casa da idosa e disse que, em seu país de origem, as pessoas que cuidam de idosos ficam em casa quando eles morrem. "Pilar autorizou-me a ficar com a casa", justificou a cuidadora, que pediu 15 mil euros para deixar o local e ir embora.

"Acreditamos que ela falsificou tudo. Minha mãe ficou muito desconfiada e não acho que ela seja capaz de assinar aquela procuração. Nem minha mãe lhe deu as chaves da casa quando ela a contratou e ela sempre abria a porta. Não sabemos como ela tinha as chaves da casa e o motivo pelo qual foi encontrada morta", reforçou Rosa, filha de Pilar.

Parte do conteúdo do artigo é proveniente da Internet. Se seus direitos de privacidade forem violados, o site será processado o mais rápido possível. Relatar
Artigos recomendados

©2020 didiadidia.com. All Rights Reserved. Sobre nós Política e segurança Termos Privacidade Direitos autorais

Isenção de responsabilidade:Este site opera enviando artigos em tempo real e não assume nenhuma responsabilidade legal pela autenticidade, integridade e posição de todos os artigos. O conteúdo de todos os artigos representa apenas as opiniões pessoais do autor e não é a posição deste Site. Os usuários devem julgar a autenticidade do conteúdo. O autor possui os direitos autorais do artigo publicado neste site. Como este site é restrito pelo modo de operação "publicação em tempo real", não podemos monitorar completamente todos os artigos. Se os leitores encontrarem problemas, entre em contato conosco. Este site tem o direito de excluir qualquer conteúdo e recusar qualquer pessoa a publicar artigos neste site e também o direito de não excluir o artigo.Não escreva palavrões, calúnia, violência pornográfica ou ataques pessoais, seja disciplinado. Este site reserva todos os direitos legais.
TOP
X
Relatar
Use um endereço de e-mail real. Se não pudermos entrar em contato com você, não poderemos processar seu relatório.