'Um plantão que partiu meu coração': o emocionante relato de enfermeira na linha de frente da covid-19 que viralizou nas redes

Mania de Notícia 09/06/2020 13:52 Relatar

Enfermeira relata período difícil em meio a frequentes mortes por covid-19 no hospital em que trabalha, no Rio de Janeiro

Em 27 de maio, a enfermeira Taísa Land, de 37 anos, viveu uma das situações mais tristes e emocionantes de sua profissão. Na linha de frente para atender pacientes com a covid-19, ela presenciou, em poucas horas, a despedida de uma mãe e o temor de um homem que não queria dormir para não morrer.

A profissional de saúde contou nas redes sociais, na tarde de 28 de maio, sobre o que havia vivido naquele plantão. O relato viralizou.

Taísa, que há 15 anos trabalha como enfermeira intensivista, afirma que compartilhou o relato como uma forma de alertar as pessoas sobre os riscos do novo coronavírus. "Foi um desabafo, para que tenham noção da realidade", diz a enfermeira à BBC News Brasil.

Ela detalha que tem presenciado mortes frequentes por covid-19 durante seus plantões, em um hospital público da capital do Rio de Janeiro — em todo o Estado, segundo dados do Ministério da Saúde, mais de 6,7 mil morreram em decorrência do novo coronavírus.

"Em muitos casos, os pacientes já estão com comprometimentos mais graves e aceitam facilmente a intubação, porque não aguentam mais, estão no limite por não conseguir respirar", conta.

"Já presenciei muitas mortes ao longo desses 15 anos como enfermeira. Nos 'acostumamos' com isso na nossa rotina. Mas nessa pandemia tem sido muito diferente. Estamos com o físico e o emocional muito sobrecarregados", desabafa Taísa.

O que mais comoveu naquela noite de fim de maio, diz Taísa, foi o desespero de dois pacientes que estavam em uma enfermaria destinada a pessoas com a covid-19 e precisavam ser intubados. "Mesmo muito cansados, eles relutaram e tiveram medo", diz.

"Sempre trabalhei com terapia intensiva, mas essa doença é muito diferente. Os pacientes já vêm com consciência da possível gravidade. Eles chegam ansiosos e com medo de morrer. Eles ficam sem acompanhante, sem visita e sem o apoio familiar. Muitas vezes, nós somos o apoio", comenta a enfermeira.

O texto de Taísa sobre o plantão de 27 de maio foi publicado por diversas páginas e teve, ao menos, 5 mil compartilhamentos no Facebook. "A repercussão me surpreendeu. Muitos grupos de WhatsApp compartilharam e fui marcada em páginas de Facebook. Comecei a receber muitas mensagens de apoio e muitos comentários de pessoas que se emocionaram muito", diz.

Parte do conteúdo do artigo é proveniente da Internet. Se seus direitos de privacidade forem violados, o site será processado o mais rápido possível. Relatar
Artigos recomendados

©2020 didiadidia.com. All Rights Reserved. Sobre nós Política e segurança Termos Privacidade Direitos autorais

Isenção de responsabilidade:Este site opera enviando artigos em tempo real e não assume nenhuma responsabilidade legal pela autenticidade, integridade e posição de todos os artigos. O conteúdo de todos os artigos representa apenas as opiniões pessoais do autor e não é a posição deste Site. Os usuários devem julgar a autenticidade do conteúdo. O autor possui os direitos autorais do artigo publicado neste site. Como este site é restrito pelo modo de operação "publicação em tempo real", não podemos monitorar completamente todos os artigos. Se os leitores encontrarem problemas, entre em contato conosco. Este site tem o direito de excluir qualquer conteúdo e recusar qualquer pessoa a publicar artigos neste site e também o direito de não excluir o artigo.Não escreva palavrões, calúnia, violência pornográfica ou ataques pessoais, seja disciplinado. Este site reserva todos os direitos legais.
TOP
X
Relatar
Use um endereço de e-mail real. Se não pudermos entrar em contato com você, não poderemos processar seu relatório.