Empresário mata a esposa por ter comemorado a vitória do seu time na final da Libertadores

News Border 03/02/2021 Relatar Quero comentar

Marido corintiano supostamente não gostou que esposa comemorasse o título do Palmeiras.

Na madrugada do dia 31 de janeiro, um triste caso aconteceu em São Paulo. Erica Fernandes Ceschini, de 34 anos, foi morta a facadas pelo marido Leonardo Souza Ceschini. Os vizinhos ouviram a discussão no apartamento do casal e decidiram chamar a polícia. Quando os policiais militares chegaram ao local, Erica já estava morta, com inúmeras facadas.

De acordo com a reportagem do R7, durante o seu depoimento inicial, Leonardo disse que os dois haviam se desentendido por conta da final da Libertadores. A esposa, que era palmeirense, estava comemorando o título de seu time, que havia ganhado a Taça Libertadores havia pouco tempo, e ele, que é corintiano, teria se sentido ofendido com a comemoração e o tom de deboche da esposa.

Erica foi encontrada com múltiplas facadas no corpo; Leonardo também possuía perfurações de faca. De acordo com o empresário, teria sido a esposa quem começou as agressões, e ele teria retirado a faca de suas mãos e então feito os ferimentos. De acordo com a PM, o casal tem filhos gêmeos de dois anos que, no momento da agressão, estavam dormindo no quarto.

A família de Erica não acredita na versão de Leonardo. De acordo com Renê Fernandes, tio da vítima, eles não tinham o hábito de discutir sobre futebol.

Mesmo que em alguns momentos “brincassem” de falar mal do time do outro, isso nunca havia sido um motivo de discussão ou desentendimento. Para ele, assim como para outros parentes e conhecidos de Erica, esse não deve ser o real motivo do crime.

Renê acredita que exista algum motivo para tal comportamento de Leonardo, mas que ele inventou a discussão por futebol para amenizar sua possível pena. Além disso, os familiares estão em busca dos pertences de Erica, atrás de respostas por um crime tão bárbaro.

O tio revelou que, até o momento, o celular dela não foi encontrado, e que ele acredita que ali possa haver algumas evidências ou mesmo pedidos de socorro.

Comentário do usuário
Você pode gostar