Novo cadastro no auxílio emergencial 2021

Nova Web Noticias 06/03/2021 Relatar Quero comentar

Já confirmado, o  novo auxílio emergencial deverá começar a ser pago em março deste ano. É o que garante o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que confirmou para esta quarta-feira (3) a votação da PEC Emergencial que liberará recursos para os novos pagamentos. Pacheco já se reuniu com o ministro da Economia, Paulo Guedes, com o presidente da Câmara, Arthur Lira, e o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, se comprometendo a votar o Orçamento de 2021 e as reformas de interesse do governo para liberar o novo auxílio.

Tanto o presidente Jair Bolsonaro, quanto o Ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmaram que o auxílio será pago a partir de março. O anúncio de como será a retomada do programa deve ocorrer até o fim deste mês, após a aprovação da PEC. Os critérios para ter direito ao novo auxílio também devem ser anunciados em breve.

Auxílio vai de março a junho

Sem valor ainda definido, Pacheco disse que o novo auxílio emergencial será retomado pelo governo federal já no mês de março, podendo durar até junho. O  valor de R$ 250 foi anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro foi de R$ 250, mas deve ser oficializado após a aprovação da PEC. "", disse Pacheco.

Para viabilizar recursos para novos pagamentos do auxílio, o presidente do Senado adiantou que vai inserir uma "cláusula de calamidade", abrindo espaço fiscal e orçamentário para os novos pagamentos.

O ministro da Economia Paulo Guedes assegurou o compromisso do governo com a saúde da população - na forma da vacinação e do auxílio emergencial - com responsabilidade fiscal, representada pelas reformas.

Em cerimônia realizada na cidade de Alcântara, no Maranhão, o presidente Jair Bolsonaro disse que o auxílio vai sair. "", finalizou.

Mudanças e cadastro no Auxílio 2021

Guedes disse ainda que o auxílio terá mudanças e que o novo benefício será para "metade dos beneficiários" que receberam até então, um grupo de até 34 milhões de pessoas mais vulneráveis.

Como o governo já possui os dados dos cidadãos inscritos no programa, não deverá ser necessário um novo processo de cadastramento, cabendo à DATAPREV fazer o novo "filtro" de beneficiários aptos a receber.

Já para aqueles que perderam o emprego no período ou agora se encaixam nos requisitos definidos (ainda a serem informados pelo governo), deverá haver a possibilidade de um  novo cadastro no programa, provavelmente pelo .

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário