Jennifer, presa pela morte da filha Ísis Helena, tinha algo misterioso para contar no julgamento

Só matérias boas 04/03/2021 Relatar Quero comentar

Jennifer Natalia Pedro foi presa em abril do ano passado e confessou à polícia ter tirado a vida da própria filha, a bebê Ísis Helena, de 1 ano e 10 meses. O caso aconteceu em Itapira, no interior de São Paulo. Acusada da morte, Jennifer estava presa no Presídio de Tremembé, em São Paulo.

No dia 23 de fevereiro, a mulher foi encontrada morta em sua sela. A primeira suspeita era de que ela teria tirado a própria. A mãe de Jennifer, Roselei Rosa, e ao advogado da jovem, não acreditam nesta hipótese. Jennifer poderia ganhar a liberdade. De acordo com a mãe, ela havia recorrido à prisão.

Em entrevista ao Cidade Alerta, da Record TV, exibida nesta terça-feira (3), Roselei afirmou que a filha tinha algo misterioso que planejava contar apenas no julgamento. “Fica em paz, mãe, porque na hora certa tudo vem à tona”, disse Roselei citando o que teria ouvido de Jennifer.

Segundo Roselei, Jennifer tinha a esperança de não ir a julgamento porque a defesa estava recorrendo, mas se ela chegasse a ir ao tribunal de júri, teria a oportunidade de falar muita coisa. “Mas não me falava exatamente o que era”, disse Roselei.

Segundo a mãe, Jennifer escrevia cartas em que dizia que cada culpado pagaria pelo que fez e que não merecia estar presa porque não era culpada pela morte da filha. Isso aponta para a possibilidade de que outras pessoas tenham participado do crime que chocou a cidade de Itapira. A Polícia Civil segue investigando a morte de Jennifer. A família não acredita que ela tenha tirado a própria vida.

Comentário do usuário