Pai abandona emprego para cuidar de filha com doença rara e implora por ajuda: ‘Está muito difícil’

GLOBO 11/11/2020 Relatar Quero comentar

Portadora de doenças raras como hidranencefalia,  holoprosecefalia, macrocefalia e insuficiência respiratória, a pequena Ana Clara dos Santos, de quatro meses, luta pela vida. Antes ir para casa com os pais, a bebê ficou internada 72 dias em uma UTI em Goiânia, e precisou passar por quatro cirurgias. Diante do quadro delicado, o pai dela, Wesley Rosa Pereira, de 23 anos, teve que abandonar o emprego para se dedicar aos cuidados da filha. 

Conhecedora da situação do casal, uma amiga resolveu criar uma “vaquinha virtual” na internet para que pessoas pudessem ajudar no tratamento de Ana Clara. No momento, Wesley e a esposa sobrevivem com R$ 1,2 mil. Dinheiro este, que Geiza Pinheiro dos Santos, mãe da bebê, recebe em seu emprego.

Computando todas as despesas da família com o tratamento, incluindo os medicamentos e insumos, os gastos mensais da família é de R$ 1,6 mil, somente na saúde da pequena Ana Clara. 

Em entrevista ao UOL, Wesley destacou, entretanto, que as despesas são ainda mais expressivas, uma vez que a filha se alimenta com um leite especial, cuja lata custa em média R$ 75, sem contar gastos com fraldas e plano de saúde. 

“Moramos em uma casa de dois cômodos e sobrevivemos de doações. Minha esposa trabalha para comprar o que a Ana precisa. Já estamos com quatro meses de aluguel atrasado, não temos como nos sustentar financeiramente. Está muito difícil”, desabafou Wesley.

Depois de quatro procedimentos cirúrgicos, Ana Clara ainda deve passar por mais uma intervenção em breve para possibilitar que ela consiga respirar sozinha.

Riscos

Ainda na entrevista, Wesley disse que logo após o nascimento de Ana Clara, os médicos explicaram que por conta do quadro raro e delicado, ela poderia não sobreviver. A amarga notícia foi classificada pelo pai como a pior que ele já recebeu na vida. Para poder custear todos os gastos, a família teve que vender utensílios domésticos e objetos pessoais. 

Comentário do usuário
X
Relatar
Use um endereço de e-mail real. Se não pudermos entrar em contato com você, não poderemos processar seu relatório.