Entenda a adenomiose, doença uterina que atinge Simone Mendes

New Post 30/05/2021 Relatar Quero comentar

No início do mês a cantora sertaneja contou que foi diagnosticada adenomiose, uma doença que afeta uma em cada dez mulheres. Simone foi internada na noite da última sexta-feira (28).

 A cantora ainda não informou qual foi o motivo da internação, mas no início do mês revelou aos fãs que foi diagnosticada pelos médicos com adenomiose devido ao intenso sangramento que passou a ter após o nascimento da filha caçula, Zaya, que hoje está com três meses.

A adenomiose é um transtorno causado quando as células que revestem o útero, o endométrio, se incrustam nas fibras musculares da parte de dentro da parede uterina, causando menstruações com sangramento abundante e forte dor pélvica. Isso é o contrário do que ocorre com as mulheres que sofrem com endometriose, uma doença caracterizada pelo crescimento do endométrio para fora do órgão.

Este problema  uterino pode causar cólicas fortes e sangramento excessivo. Seus primeiros sintomas podem surgir de 2 a 3 anos após o parto, assim como aconteceu com Simone.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma em cada dez mulheres no mundo pode sofrer com a doença, que muitas vezes não manifesta sintomas, fazendo com que cerca de um terço delas nem saiba que convive com o transtorno.

Como Simone descobriu a doença?

Em um vídeo publicado em seu canal no Youtube no dia 7 de maio deste ano, Simone contou como foram os dias após o parto da filha até o diagnóstico da adenomiose. "Foram passando dias e nada dessa menstruação ir embora. Comecei a ficar preocupada porque a menstruação não ia embora", contou.

A artista disse que quando chegou ao Brasil, após dar à luz à filha nos EUA, procurou seu médico, que receitou uma medicação para interromper o sangramento, mas não teve sucesso. Foi então que ela começou a fazer uma bateria de exames para tentar identificar qual era a origem do problema. "A doutora olhou e meio que imaginou que fosse alguma coisa, mas não deu pra ver perfeitamente", contou ela sobre o exame transvaginal. "Então, depois fiz um exame mais elaborado. Nele, a gente detectou que eu estava com uma Adenomiose. Tava fazendo com que o sangramento não parasse", explicou.

Comentário do usuário