Crianças catarinenses dão exemplo de solidariedade na pandemia de coronavírus

elvisoliveira10 10/06/2021 Relatar Quero comentar

Crianças catarinenses dão exemplo de solidariedade na pandemia de coronavírus

O coronavírus mexe com o emocional de todos nós. Mas enquanto adultos se mostram acuados, fechados em si e assustados com a ideia de morrer ou perder pessoas e empregos, as crianças quebram barreiras do racismo, do preconceito de gênero e de classe social

30/06/2020 - 14h35

COMPARTILHE

Por Ângela Bastos

[email protected]

O menino Pedro fez um gesto bonito(Foto: Arquivo Pessoal )

Há alguns dias, o menino Pedro, cinco anos, morador de Itajaí, fez um gesto bonito. Abriu o cofrinho de moedas e doou R$ 234,30 para a , a qual precisa de um medicamento para vencer a AME - Amiotrofia Muscular Espinhal, Tipo 1. Dias antes, o garoto Bruno, oito anos, morador de Nova Trento, colocou a coleção de carrinhos em leilão com o mesmo objetivo. Exemplos protagonizados por crianças que, em momentos de dor, como diante da pandemia, revelam-se mais solidárias.

- Nós conhecemos a família de Laurinha e estamos bastante envolvidos com a campanha. Pedro viu que eu separava umas roupas dele para um brechó e perguntou o que era, o que me fez explicar sobre a doença – conta a mãe, a fonoaudióloga Keila Dalbosco Viti.

PUBLICIDADE

Sensibilizado com a história, o menino disse:

- Que tal dar as minhas moedinhas para ajudar a comprar o remedinho dela?

A atitude ganhou repercussão uma semana depois, em uma live sobre doações da campanha para Laurinha, quando os pais e também Pedro fizeram suas doações. Na ocasião, Pedro convidou o pai, o diretor comercial Rodrigo Viti, para abrir o cofrinho

Ações assim resultam do sentimento de empatia que as crianças possuem, diz a psicóloga clínica Caroline da Rosa Rodrigues. Atentas ao que acontece no mundo, elas expandem o olhar da casa ou da família para as ruas e cidades.

- As crianças, mesmo confinadas, sabem o que está acontecendo e buscam saídas para melhorar a realidade que se tornou mais difícil, seja através das brincadeiras alegrando o ambiente; seja fazendo uma doação para outra criança que precisa de ajuda - observa Caroline.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário