Mãe desabafa após perder filha afogada: 'Fiquei cerca de 2 horas com a minha bebê morta nos meus braços'

Top News 27/04/2021 Relatar Quero comentar

Lorena Ramos, de 32 anos, moradora de Vila Velha, estado do Espírito Santos, passou por um dos piores dramas para uma mãe, a perda de sua filha. Isabella tinha apenas 1 anos e 3 meses de vida quando morreu. A criança se afogou ao cair em uma piscina bem na data que se comemora o Dia das Crianças. Além de Isabella, ela tem mais duas filhas, uma de 17 e outra de 14 anos e um menino de oito anos.

A mulher abriu o coração e contou sobre o acidente que matou a filha. De acordo com a capixaba, ela não tinha a menor vontade de engravidar novamente quando descobriu a gestação da caçula e chegava a questionar o que faria com mais um filho, pois já era mãe de três. A dificuldade para aceitar foi grande no começo, mas toda a revolta foi se dissipando e a ansiedade pela chegada da menina era grande.

Depois que a menina nasceu, ela sentiu uma alegria imensa e ficou tudo bem, até que em um passeio em que levou apenas a filha mais velha e a caçula. Foi quando a menina acabou se afogando após uma distração. Lorena contou que estava na casa de uma amiga no Dia das Crianças e que estava tudo bem com todos se divertindo.

No entanto, ela resolveu ir ao mercado junto com a amiga e deixou a filha sob os cuidados da mãe da amiga e da filha mais velha. No entanto, não demorou para que o telefone tocasse com a notícia de que Isabella havia caído na piscina. Eu sabia que algo ruim havia acontecido. “No trajeto de volta, tentei incansavelmente ligar para minha filha, mas ela não atendia. Meu desespero foi aumentando”, relatou.

Quando chegou já se deparou com a ambulância do SAMU e os socorristas tentando reanimar a filha. A equipe ficou por quase 40 minutos tentando trazer a menina de volta, mas infelizmente não conseguiram. Ela disse que pegou a filha sem vida nos braços e levou para a cama. “Eu estava totalmente em choque. A levei para a cama e fiquei com ela por cerca de duas horas, aguardando a perícia”, desabafou a mãe. A capixaba disse que foi tudo muito difícil, pois a filha mais velha se sentia culpada e demorou para que conseguisse voltar a ficar bem.

O caso serve de alerta aos pais, pois as crianças são muito curiosas e não tem noção do perigo. Por isso, é sempre importante ter atenção voltada para os pequenos, especialmente em um local em que não tem costume. Infelizmente, qualquer distração pode acabar resultando em algo trágico.

Comentário do usuário