Guedes fala sobre prorrogação do Auxilio Emergencial, veja se recebe.

Virais 20/12/2020 Relatar Quero comentar

Se houver uma segunda onda do coronavírus, a prorrogação do auxílio emergencial não é uma possibilidade, é uma certeza, disse nesta quinta-feira (12) o ministro da Economia, Paulo Guedes, no evento Dia Nacional do Supermercado 2020, promovido pela Associação Brasileira dos Supermercados (Abras). Ele respondia a uma pergunta sobre a possibilidade de prorrogação do auxílio emergencial.

“Hoje, o plano para o auxílio emergencial é remoção gradual”, disse. “Existe possibilidade de haver prorrogação? Se houver segunda onda, não é possibilidade, é certeza; mas não é o plano A.”

O plano é ir retirando estímulos, disse. Converter o auxílio emergencial no Renda Brasil ou Bolsa Família. “É uma escolha política”, informou. Os debates serão retomados após as eleições.

Os gastos do governo com medidas de enfrentamento ao coronavírus poderão ficar em 4% do PIB, caso haja uma segunda onda da doença. Neste ano, os gastos chegaram a 10% do PIB.

“O que não faremos é ter falta de compromisso com futuras gerações”, afirmou. “Não vamos ficar dando dinheiro para todo mundo e deixar dívida/PIB ir para 100%, 120%.”

O ministro afirmou que o governo vai derrubar a relação dívida/PIB em 2021.

Segundo o ministro, a proposta original do governo era um auxílio de R$ 200,00. No entanto, o valor foi elevado pelo Congresso e o presidente Jair Bolsonaro decidiu reforçar ainda mais o benefício, levando-o a R$ 600,00. “O valor do auxílio emergencial pode ter sido exagerado, mas não me arrependo”, disse. “Foi muito bom.”

Guedes avaliou que a probabilidade de uma segunda onda é baixa, mas é preciso estar preparado, disse. “Se houver segunda onda, Brasil vai reagir como reagiu da primeira vez.”

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo contém uma cláusula de calamidade pública, destacou.

Este conteúdo foi publicado originalmente no Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor.

Comentário do usuário