Responsável por encontrar pequeno Heitor, bombeiro se emociona em achar menino com vida: ‘A gente é pai’

N. Ferreira***** 28/12/2020 Relatar Quero comentar

Primeiro a ver o menino Heitor sentado em uma cadeira no aterro sanitário, o sargento Domingos, do Corpo de Bombeiros de Lucas do Rio Verde, não conteve a emoção ao falar sobre o ocorrido. Depois de encaminhar o menino para receber cuidados médicos, o graduado conversou com a imprensa. 

Domingos, que estaria de folga no fim de semana, abriu mão do descanso e trabalhou arduamente nas buscas. Ele agradeceu o apoio e empenho das demais forças policiais, da comunidade que atuou de forma voluntária quando chamada, e da mídia, pela divulgação de informações sobre o caso.

Ao comentar sobre o encontro com Heitor, Domingos disse acreditar que o menino possa ter sido ‘devolvido’ no local por alguém em razão das condições que se encontrava, bem lúcido e tranquilo. Porém, não descarta que a criança tenha ficado em meio a mata e que, vendo o lixão, tenha ido ao local onde foi resgatado.

“Eu estava nas buscas, nós passamos ali várias e várias vezes e não foi visualizada nenhuma situação”, pontuou. “A gente é pai, a gente se emociona igual né. É difícil, a gente sabe que é difícil uma criança passar quatro dias, três noites frias, chuvosas, e ser encontrado com vida”, comentou, ressaltando que a comunidade presenciou um verdadeiro milagre.

“É um momento de muita alegria, tanto para os pais, quanto para a Polícia que está há três dias atuando com o intuito de localizar a criança Heitor”, comentou o delegado Eugenio Rudy, que informou que as investigações prosseguem para elucidar se houve rapto da criança ou não.

“A gente fica emocionado porque é uma criança, o Heitor é um herói por ter resistido a esses dias de desaparecimento, nós também não desistimos dele. Os bombeiros, com seus trabalhos de busca, nós trabalhando com serviço de investigação, checando todas as informações que vieram até nós”, lembrou o delegado Marcelo Maidame, citando a apuração de imagens que davam como certa a passagem do garoto pelo Terminal Rodoviário, mas que foi descartada após apuração dos investigadores.

“É difícil não se emocionar neste momento. A gente tem um lado profissional, mas por baixo da farda temos nosso lado humano. Assim como a gente é pai também e sente desde a notícia do sumiço, trabalhamos de forma incansável sempre na esperança de encontrar ele (Heitor) com vida. Em momento algum, apesar do cansaço, nós desistimos e perdemos a esperança”, descreveu o comandante do Corpo de Bombeiros, major Alex Queiroz.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário