China reclassifica cães como animais de estimação em ação pós-coronavírus

Filomena 11/04/2020 03:12 Relatar

A China elaborou novas diretrizes para reclassificar cães como animais de estimação, em vez de animais para consumo, informou o Ministério da Agricultura, como parte de uma resposta ao surto de coronavírus que o grupo Humane Society chamou de potencial “divisor de águas” no bem-estar animal.

Embora a carne de cachorro continue sendo uma iguaria em muitas regiões, o Ministério da Agricultura disse em um comunicado publicado na quarta-feira que os cães não serão mais considerados animais para consumo. Essa designação é usada para animais que podem ser criados para fornecer alimento, leite, peles, fibras e remédios, ou para atender às necessidades de esportes ou militares.

“No que diz respeito aos cães, o progresso da civilização humana junto com a preocupação pública e o amor pela proteção dos animais, os cães foram ´especializados´ para se tornarem animais de companhia, e internacionalmente não são considerados animais para consumo, e não serão regulamentados como animais para consumo na China”, afirmou a pasta.

Acredita-se que o coronavírus tenha se originado em morcegos-de-ferradura e pode ter sido transmitido aos seres humanos por espécies intermediárias à venda nos mercados da cidade de Wuhan, onde o patógeno foi identificado pela primeira vez.

Posteriormente, a China proibiu a criação, o comércio e o consumo de animais selvagens e revogou todas as licenças existentes. Também prometeu revisar a legislação para tornar a proibição permanente.

O projeto de diretrizes publicado na quarta-feira, que foi aberto ao público para consulta, listou 18 espécies tradicionais de animais para consumo – incluindo gado, porcos, aves e camelos.

Também adicionou 13 espécies “especiais” que também estariam isentas de restrições ao comércio de animais selvagens, incluindo renas, alpacas, faisões, avestruzes e raposas.

O consumo de cães se tornou cada vez mais impopular na China, e a cidade de Shenzhen, no sul, foi a primeira a proibi-lo no mês passado.

No entanto, a Humane Society International, grupo de proteção de animais, estimou que cerca de 10 milhões de cães por ano ainda são mortos na China para que sua carne seja consumida, incluindo animais roubados. A cidade de Yulin, na região de Guangxi, realiza um festival anual de carne de cachorro em junho.

“Esta proposta pode sinalizar um divisor de águas para a proteção dos animais na China”, disse Wendy Higgins, porta-voz da Humane Society International.

Parte do conteúdo do artigo é proveniente da Internet. Se seus direitos de privacidade forem violados, o site será processado o mais rápido possível. Relatar
Artigos recomendados

©2020 didiadidia.com. All Rights Reserved. Sobre nós Política e segurança Termos Privacidade Direitos autorais

Isenção de responsabilidade:Este site opera enviando artigos em tempo real e não assume nenhuma responsabilidade legal pela autenticidade, integridade e posição de todos os artigos. O conteúdo de todos os artigos representa apenas as opiniões pessoais do autor e não é a posição deste Site. Os usuários devem julgar a autenticidade do conteúdo. O autor possui os direitos autorais do artigo publicado neste site. Como este site é restrito pelo modo de operação "publicação em tempo real", não podemos monitorar completamente todos os artigos. Se os leitores encontrarem problemas, entre em contato conosco. Este site tem o direito de excluir qualquer conteúdo e recusar qualquer pessoa a publicar artigos neste site e também o direito de não excluir o artigo.Não escreva palavrões, calúnia, violência pornográfica ou ataques pessoais, seja disciplinado. Este site reserva todos os direitos legais.
TOP
X
Relatar
Use um endereço de e-mail real. Se não pudermos entrar em contato com você, não poderemos processar seu relatório.