Mãe desabafa após filha ser encontrada morta em apartamento nos EUA: 'Dor'

As mais clicadas do dia 24/12/2020 Relatar Quero comentar

 

A empresária Lêda Barbosa publicou nesta quinta-feira (24) um desabafo nas redes sociais após . A jovem foi encontrada morta em um apartamento em São Francisco, nos Estados Unidos, há dois dias. A mãe publicou uma imagem da vítima em um balanço e escreveu: "Que saudade. Que dor".

Na publicação, dezenas de amigos e conhecidos ofereceram apoio à família e falaram sobre a falta que a jovem faz. "Brilha estrela linda. Saudade vai ser eterna", escreveu um internauta.

Na noite de quarta-feira (23), a irmã de Lídia, a servidora pública Leidianne Ferreira, de 34 anos, descreveu o episódio como uma tragédia.

"A família está desolada. Ela era linda, carinhosa com todos e ajudava todo mundo. Tinha o sonho de se casar e constituir família. Foi uma tragédia muito grande", disse.

 

Segundo registro da polícia de São Francisco, na Califórnia, a vítima e o suspeito do crime foram encontrados mortos no apartamento do homem, que não teve o nome divulgado.

Amigos da goiana estão . Pela web, eles já conseguiram mais R$ 600 de dez pessoas que contribuíram com a causa. Também de acordo com os amigos, ainda não há previsão de quando poderá ser feito o traslado.

Por meio de nota, o Itamaraty informou que "por meio de sua rede consular nos Estados Unidos, presta toda a assistência legal e materialmente possível a brasileiros naquele país". Ainda de acordo com o texto, "as embaixadas e os consulados brasileiros prestam aos familiares orientações gerais, no sentido de apoiá-los".

Lídia e a família são naturais de , a 120 km de Goiânia, mas os parentes dela moram em Caldas Novas, no sul do estado, há mais de 20 anos. Lídia se mudou para São Francisco, no estado da Califórnia, há dois anos e meio e trabalhava com limpeza de residências por aplicativo.

Segundo uma amiga da goiana, que preferiu não ter a identidade divulgada, Lídia foi encontrada morta no apartamento de um ex-namorado, que teria ficado obcecado por ela e queria reatar o relacionamento. No entanto, nunca havia demonstrado agressividade.

"Não fez ameaças contra ela. Mesmo assim, nós a aconselhamos a prestar queixa contra ele, por causa das perseguições. Ela achou que não precisava no momento", afirmou.O  G1 entrou em contato com a polícia local por e-mail nesta quinta-feira e aguarda retorno com detalhes sobre as investigações.

Comentário do usuário