Brasil supera a China em mortos e Bolsonaro reage: "Não faço milagres"

Amélia 29/04/2020 02:27 Relatar

No dia em que o Brasil bateu um novo recorde de morte causadas pelo novo coronavírus e ultrapassou os números da China, o presidente Jair Bolsonaro disse não fazer milagres e demonstrou preocupação com a situação de sua secretária de Cultura, Regina Duarte, que, segundo ele, "está distante". Ontem, o Ministério da Saúde anunciou que subiu para 5.017 o número total de mortes provocadas pela covid-19 no país, 474 delas registradas nas últimas 24 horas. Com os dados atualizados, o Brasil ultrapassou a China, que registra oficialmente 4.643 mortes por conta da covid-19. O país entrou para a lista das 10 nações com maior número de mortes.

Os países, porém, estão em momentos bem diferentes da pandemia: enquanto o primeiro caso chinês foi registrado em 31 de dezembro em Wuhan, a chegada do novo coronavírus ao Brasil foi oficializado no dia 26 de fevereiro.

Questionado sobre os números por uma jornalista em frente ao Palácio do Alvorada, em Brasília, o presidente lamentou, mas disse que não tinha como fazer milagres diante da pandemia. "E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre".

Na entrevista, Bolsonaro voltou a se dizer solidário aos parentes de pessoas mortas pela covid-19, mas disse que a maioria são idosos e que não há o que fazer. Afirmou ainda que um dia ele também morrerá.

Mais cedo, o presidente se concentrou em falar sobre Regina Duarte. Ela tem sofrido pressão para sair do governo após a demissão de Sergio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública, ocorrida na última sexta-feira. Segundo relevou ontem a Folha, aliados do presidente — com seu aval — deram início a um processo de fritura de Regina, com o objetivo de fazer com que ela peça demissão do cargo de secretária especial da Cultura.

Bolsonaro negou desejar a saída da secretaria que está há menos de dois meses no cargo, mas criticou seu distanciamento. "Infelizmente a Regina está trabalhando pela internet ali e eu quero que ela esteja mais próxima", disse.

Nesta madrugada, Bolsonaro escolheu o substituto de Sergio Moro: o advogado André Luiz de Almeida Mendonça será o novo ministro da Justiça e Segurança Pública. Ele também apontou Alexandre Ramagem para o cargo de diretor-geral da Polícia Federal. As escolhas foram alvo de críticas devido à proximidade com a família do presidente.

Mendonça comandava a Advocacia Geral da União (AGU) e ganhou destaque no ano passado, quando Bolsonaro cogitou indicá-lo para o Supremo Tribunal Federal (STF). Na época, o presidente o chamou de "terrivelmente evangélico".

Em entrevista ao UOL em outubro do ano passado, o novo ministro da Justiça disse que não era hora de criminalizar as fake news.

Parte do conteúdo do artigo é proveniente da Internet. Se seus direitos de privacidade forem violados, o site será processado o mais rápido possível. Relatar
Artigos recomendados

©2020 didiadidia.com. All Rights Reserved. Sobre nós Política e segurança Termos Privacidade Direitos autorais

Isenção de responsabilidade:Este site opera enviando artigos em tempo real e não assume nenhuma responsabilidade legal pela autenticidade, integridade e posição de todos os artigos. O conteúdo de todos os artigos representa apenas as opiniões pessoais do autor e não é a posição deste Site. Os usuários devem julgar a autenticidade do conteúdo. O autor possui os direitos autorais do artigo publicado neste site. Como este site é restrito pelo modo de operação "publicação em tempo real", não podemos monitorar completamente todos os artigos. Se os leitores encontrarem problemas, entre em contato conosco. Este site tem o direito de excluir qualquer conteúdo e recusar qualquer pessoa a publicar artigos neste site e também o direito de não excluir o artigo.Não escreva palavrões, calúnia, violência pornográfica ou ataques pessoais, seja disciplinado. Este site reserva todos os direitos legais.
TOP
X
Relatar
Use um endereço de e-mail real. Se não pudermos entrar em contato com você, não poderemos processar seu relatório.