Sobrevivente de Auschwitz morre de covid-19

Amélia 27/04/2020 00:39 Relatar

O belga Henri Kichka foi um dos poucos sobreviventes do mais notório campo de concentração nazista. 'Um coronavírus microscópico obteve sucesso em algo em que todo o Exército nazista falhou', disse seu filho.

Um dos últimos sobreviventes do Holocausto na Bélgica, Henri Kichka morreu de covid-19 no sábado (25/4), em uma casa de repouso em Bruxelas, aos 94 anos.

Kichka foi um dos poucos homens e mulheres que sobreviveram a Auschwitz, o campo de extermínio criado pelos nazistas no sul da Polônia durante a 2ª Guerra Mundial.

Ele falou à BBC em janeiro sobre sua experiência. Questionado sobre como sobreviveu, Kichka disse: "Não era possível viver em Auschwitz. O lugar em si era a morte".

Em uma homenagem publicada no Facebook, seu filho Michel Kichka escreveu: "Um coronavírus microscópico obteve sucesso em algo em que todo o Exército nazista falhou. Meu pai havia sobrevivido à Marcha da Morte, mas hoje sua Marcha da Vida terminou".

Trabalho escravo e 'marcha da morte'

Henri Kichka nasceu em Bruxelas em 1926, em uma família judia de origem polonesa. Seus pais haviam fugido do antissemitismo na Europa Oriental para construir uma nova vida no Ocidente.

Quando a Alemanha nazista invadiu e ocupou a Bélgica, eles ficaram sem ter onde se esconder e logo foram deportados, em 1942.

Henri e seu pai foram mandados para fazer trabalho escravo em diferentes campos antes de serem levados para Auschwitz.

As mulheres da família - a mãe de Henri, suas irmãs e tia - foram diretamente para Auschwitz, onde morreram nas câmaras de gás assim que chegaram. Em 1945, com o avanço do exército soviético, os nazistas enviaram os prisioneiros de Auschwitz, Henri entre eles, em uma "marcha da morte" para outros campos mais a oeste. A maioria dos prisioneiros morreu na jornada.

A vida após Auschwitz

Durante anos após a guerra, Henri nunca falou de sua experiência. Casou-se, abriu uma loja com a esposa e construiu uma grande família: quatro filhos, nove netos e 14 bisnetos.

Mais tarde, porém, ele mudou de ideia e começou a dar palestras nas escolas, por sentir que valia a pena sofrer a dor de lembrar do que havia vivido para garantir que os outros não se esquecessem do Holocausto.

E, 60 anos após o fim da guerra, Henri publicou um livro de memórias de sua vida nos campos, Une adolescence perdue dans la nuit des camps (Um adolescente perdido na noite dos campos, em tradução livre), para garantir que sua voz ainda fosse ouvida quando ele se fosse.

Parte do conteúdo do artigo é proveniente da Internet. Se seus direitos de privacidade forem violados, o site será processado o mais rápido possível. Relatar
Artigos recomendados

©2020 didiadidia.com. All Rights Reserved. Sobre nós Política e segurança Termos Privacidade Direitos autorais

Isenção de responsabilidade:Este site opera enviando artigos em tempo real e não assume nenhuma responsabilidade legal pela autenticidade, integridade e posição de todos os artigos. O conteúdo de todos os artigos representa apenas as opiniões pessoais do autor e não é a posição deste Site. Os usuários devem julgar a autenticidade do conteúdo. O autor possui os direitos autorais do artigo publicado neste site. Como este site é restrito pelo modo de operação "publicação em tempo real", não podemos monitorar completamente todos os artigos. Se os leitores encontrarem problemas, entre em contato conosco. Este site tem o direito de excluir qualquer conteúdo e recusar qualquer pessoa a publicar artigos neste site e também o direito de não excluir o artigo.Não escreva palavrões, calúnia, violência pornográfica ou ataques pessoais, seja disciplinado. Este site reserva todos os direitos legais.
TOP
X
Relatar
Use um endereço de e-mail real. Se não pudermos entrar em contato com você, não poderemos processar seu relatório.