Mãe tortura bebê com alvejante e lâminas de barbear: “Eu não amava minha filha e queria vê-la morrer”

Gomes 23/01/2021 Relatar Quero comentar

Ezgi Korucu, 28, é acusada de torturar sua filha de 18 meses, Eylul Mira, em Istambul, Turquia. A mulher teria cortado os pulsos da criança com lâminas de barbear e jogado alvejante nas feridas. Quando os promotores questionaram os motivos da mãe para cometer o crime, a mulher afirmou que não amava a bebê.

A criança foi levada ao hospital e os médicos suspeitaram que a criança estava sendo torturada e acionaram a polícia. Ezgi, que já foi detida e libertada duas vezes antes, confessou os abusos em fevereiro deste ano e pegou 20 anos de prisão.

No depoimento, a mulher chocou os juízes por sua frieza:  “Eu não amava minha filha e queria que ela morresse lentamente. Então eu decidi torturá-la. Eu a atormentava com cortes de navalha em sua cabeça, pernas, braços, peito e pálpebras”, começou o relato.

“Eu injetei sabão líquido e alvejante em suas veias usando uma seringa. Isso começou quando minha filha tinha um mês de idade. Fiz as torturas quando minha família estava dormindo ou não estava por perto para ver”, disse a mulher que ainda se gabou: “Houve uma investigação contra mim, mas neguei as acusações”.

Os promotores disseram que a mãe cruel deveria cumprir duas décadas de prisão por “tentativa deliberada de matar uma criança, agravada pelo uso de tortura”.

Condenada, a mãe chegou a escrever cartas para sua família da prisão e pediu desculpas à filha por suas ações. O advogado dela informou que a mulher estava com medo de contar a verdade, mas que seus supostos atos resultaram dos abusos que sofreu em seu casamento.

Comentário do usuário