O Perigo dos Relacionamentos Virtuais

Suzanne Meireles 12/02/2021 Relatar Quero comentar

A pergunta mais lida por mulheres:

Alguém conhece este homem?

Uma passeada por esses grupos e diariamente alguma brasileira posta essa

pergunta com uma foto.

Na foto está o cidadão com quem ela vem se relacionando virtualmente.

Raramente o homem que está na foto é de fato quem ela esta conversando.

Em sua grande maioria a pessoa da foto é apenas outra vítima que tem sua imagem usurpada por um golpista, que a usa de forma ilegal para seduzir mulheres em seu próprio benefício.

Aqui está um ponto perigoso, onde muitas mulheres se veem apaixonadas e acabam entrando em dívidas em nome do“amor" amor este capaz de as levar ao divórcio com seus verdadeiros parceiros, rompimentos de laços com filhos e dividas bancárias irreparáveis.

Eles têm a desculpa perfeita para pedir dinheiro.

O golpe da mala é o mais velho, homens dizem ser um soldado americano em missão e

precisam enviar a elas uma mala de dinheiro. Sim, este golpe existe, é velho e faz milhares de

vítimas todos os anos, porque para receber essa tal mala de dinheiro a vítima sempre tem que pagar um determinado valor para uma agência que eles dizem ser alfândega.

Muitas dessas mulheres estão entrando com os sentimentos e eles estão negociando

como uma empresa. Uma empresa que causa danos financeiros, morais e psicológico em suas vítimas.

Nessa empresa não existe cliente satisfeito. A satisfação é total do golpista e para o golpista.

Apesar de famoso o golpe ainda continua a ser aplicado, o motivo de tal disparate é que

pessoas ainda acreditam na veracidade de seus relacionamentos. E aí esta o troféu do golpista, quando sua vítima entende que ele está jogando o mesmo jogo dela e se difere de outros

casos.

Bingo! Ponto para golpistas virtuais e suas empresas de negócios lucrativos e ilusórios.

Há aquelas que estão namorando um homem que não lhes pede dinheiro e nem envia mala

cobertas de ouro. Sendo assim apostam suas fichas pensando ser amor. Mas continuam a

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário