CULTURA“Obras de Capa” – Exposição de pintura de Ismael Sequeira em Lisboa

José 25/05/2021 Relatar Quero comentar

“Obras de Capa” é um projecto editorial da DESCENDÊNCIAS Magazine e da AILD – AILD – Associação Internacional dos Lusodescendentes que trabalha com o objectivo de acolher, divulgar e promover a relação dos lusodescendentes com outros povos.

Nesta perspectiva, no segundo ano da edição da sua Revista, o desafio foi aceite de imediato, com muito gosto, para ilustrar as capas da revista mensalmente e escrever sobre o tema pensado para cada número a editar.

Um dos grandes motivos  abraçados de ânimo elevado e maravilhado com a ideia de construir uma capa com perfil de obra artística foi o olhar optimista e realista sobre o mundo contemporâneo por um lado e a observação cuidada sobre a pequena geografia insular que é o arquipélago de São Tomé e Príncipe, onde a riqueza natural eleva o seu habitante de vontade de viver com esperança de alcançar o crescimento aspirado pelos sonhos da independência política e económica.

Este projecto de arte não é de abordagem política. Mas essa aspiração é só um apontamento para reflexão;  sobre o modo de estar santomense caracterizado pelo seu “leve-leve” que não se deixa absorver com comodismo por tudo o que não está bem na sociedade. Assumindo uma posição crítica e moderada, é o convívio entre as pessoas e a influência que a natureza exuberante exerce sobre a alma dos santomenses e que os tornam sonhadores e poetas da sua própria vida embelezado por um optimismo peculiar, renegando a convivência com o mal intrínseco dos pessimistas.

Assim, “Observa” é o referente escolhido para fazer uma narrativa heterogenia sobre a difícil modo como os criativos deste território insular guiam a sociedade.

Uma sociedade saída do colonialismo com valores e cultura humanista considerável, que resiste a degradação social e alimenta a sua esperança com forte crença divinal.

A escolhas dos temas representados, ora de abordagem realista, ora surrealista procura enquadrar uma identidade muito própria da cultura e do ser da ilha que busca as suas influências actuais pelos sinais trazidos pelo desenvolvimento do mundo e pela globalização. A comunicação e os novos meios tecnológicos absorvido por uma população muito jovem motiva-nos a exercitar com entusiasmo a conexão com o mundo. O que significa que o oceano Atlântico que banham estas ilhas já não limita os santomenses. A emigração continua a ser o sonho de toda a juventude que demonstram um amor incondicional por esta terra, mas que se torna pequena para as suas ambições.

Os doze desenhos revelam através da experimentação estilizada um discurso eclético que se afirma pela força das linhas, assim como um jogo conseguido de manchas de preenchimentos estruturados pela linha.

No tratamento dos textos assim como no desenvolvimento do desenho e composição, há uma experimentação assumida no jogo em que mistura o sonho ou pesadelo com a realidade, a lenda com a história, contrastes cromáticos conjugados com metáforas e criação de novos significados identitários.

No final, mais do que um projecto estético “Observa. Obras de Capa” é uma proposta de pensamento e comunicação em que o artista utiliza tanto a força expressiva do desenho, assim como todas as ferramentas de suporte tecnológico e meios de comunicação digital para partilhar um conjunto de ideias e reflexões sobre São Tomé e Príncipe abordando temas como: memórias da história colonial, lendas e mitos no contexto local, influências da globalização na vida do arquipélago, a identidade cultural, representação do poder e do papel feminino nesta pequena sociedade, entre muitos outros assuntos.

Os doze desenhos de capa são reproduzidos em séries de cem cópias de cada matriz, devidamente assinada e autenticada pelo artista e propõe expô-los com itinerância em vinte países onde existem a comunidade lusófona.

Comentário do usuário