Jair Bolsonaro é "perigoso para a sociedade" e deputados pedem investigação

Tiagofraga 29/04/2021 Relatar Quero comentar

Num debate no Parlamento Europeu nesta quinta-feira, o Brasil voltou a ser alvo de duras críticas por parte de deputados, que pedem que o presidente Jair Bolsonaro seja "investigado".

Colunistas do UOL

Anna Cavazzini, deputada alemã do Partido Verde, foi contundente. "São quase 400 mil mortos no Brasil. É uma tragédia provocada por decisões políticas deliberadas. Para nenhum governo foi fácil. Mas tentar uma coisa, recusar é outra", disse.

"Desde o começo da crise, Bolsonaro se recusou a tomar decisões e rejeitou medidas cientificamente comprovadas. Ele reduziu a importância da pandemia, se opôs à vacinação e tentou ações em tribunas contra lockdown", alertou.

Ela também destaca como a fome triplicou e que a crise social já atinge 90 milhões de brasileiros. "Precisamos lançar um apelo ao Brasil: tome medidas com base na ciência", disse.

Miguel Urban Crespo, eurodeputado espanhol, foi ainda mais duro. Para ele, a situação "dramática" do Brasil é resultado da "gestão criminosa de Bolsonaro". "No lugar de declarar guerra ao vírus, ele declarou guerra à ciência, à medicina e à vida. As mortes seriam evitadas. Sua necropolítica e sua política da morte constitui um crime contra a humanidade que deve ser investigado", defendeu.

"Hoje, Bolsonaro é um perigoso para o mundo todo e o povo brasileiro não merece", disse.

O mesmo discurso foi usado por Javi Lopez. Para ele, Bolsonaro é "um risco para a vida dos brasileiros e para toda a humanidade". "Estamos diante de um país que pode ser incubadora de novas cepas", alertou.

A eurodeputada Katalina Cseh, da Hungria, repetiu diante do Parlamento as frases de Bolsonaro, em que pediu para que a população deixe de chorar. "Nunca deveríamos chegar a esse ponto. Presidente optou por ser parte do problema", alertou.

Já a francesa Leila Chaibi foi clara: "a política criminosa de Jair Bolsonaro não é inocente. A tragédia aumenta".

Comentário do usuário
Você pode gostar