Gabigol vai à Justiça para impedir Globo de exibir cassino em documentário

Dany 22/03/2021 Relatar Quero comentar

A empresa Gabigol Esportes Ltda, que cuida da imagem do jogador de futebol Gabigol, do Flamengo, tentou impedir a exibição do último episódio da série documental "Predestinado", que conta a história do jogador. Liberado neste domingo (22/3) aos assinantes da Globoplay, o capítulo foi reeditado para incluir a detenção do atleta em um cassino clandestino em São Paulo, furando o toque de recolher contra a covid-19 na madrugada do último domingo.

A equipe de Gabigol entrou com um pedido de liminar na Justiça do Rio de Janeiro para barrar a veiculação das imagens comprometedoras do jogador, com a justificativa de que a Globo não respeitou o contrato. Eles alegam que existem cláusulas que obrigam a emissora a consultar o jogador em caso de qualquer edição. Mas a equipe só teria sido informada das mudanças na véspera e, ao entrar em contato com a emissora, optou pela via judicial.

A polêmica se deve ao fato de a Globo ter prometido uma homenagem ao atacante nas negociações para a produção do documentário. Por isso, Gabigol recebeu a equipe do Globoplay na casa do seu empresário, em São Paulo, e deu uma entrevista exclusiva sobre a carreira e sobre o oitavo título nacional do Flamengo.

"Não resta qualquer dúvida que a aceitação dos autores acerca da elaboração do documentário está estritamente atrelada ao fato de que este foi apresentado e descrito pela ré como uma homenagem ao atleta Gabriel Barbosa e como de exaltação à sua carreira, sendo certo que a pretensão da ré se mostra totalmente contrária à tal premissa, configurando-se em exposição midiática de assunto estritamente relacionada à vida pessoal do atleta e extremamente delicado", diz trecho do documento, que acabou vindo à tona e publicado pela imprensa esportiva.

Além de tentar impedir a nova versão do conteúdo, a equipe do jogador entrou com o pedido de indenização de R$ 2 milhões caso o Globoplay descumprisse a decisão.

A juíza de plantão da 14ª Câmara Cível do Rio de Janeiro negou o pedido do jogador, alegando que as notícias já eram públicas.

Em sua decisão, a magistrada citou até uma entrevista que Gabigol deu ao "Fantástico", da TV Globo, na semana passada, falando sobre o assunto: "Ressalta-se que o próprio jogador do Flamengo, em entrevista concedida ao programa 'Fantástico', disse estar arrependido, deixando evidente que o fato ocorrido no dia 13 de março é público e notório".

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário