Gol chama PF e impede que deputado federal embarque sem máscara em avião; 'focinheira ideológica', diz parlamentar

Só matérias boas 28/01/2021 Relatar Quero comentar

Caso envolvendo Daniel Silveira ocorreu nesta terça, em Guarulhos. Conhecido pela recusa em usar item de proteção contra o coronavírus, ele mostrou atestado que o dispensava de estar com máscara por causa de cefaleia crônica. Companhia não aceitou justificativa, e houve bate-boca.

A companhia aérea Gol impediu o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) de embarcar em um voo no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, nesta terça-feira (26) porque ele se recusou a usar máscara de proteção contra o coronavírus, obrigatória a todos os passageiros.

Em vídeo divulgado nesta quarta-feira (27), o parlamentar se referiu ao item como "focinheira ideológica" .

Daniel Silveira é policial militar, foi eleito em 2018 e é conhecido pela recusa em utilizar a máscara. Neste mês, o  em postagens antigas dele por "publicação de informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à Covid-19" .

Em maio de 2020, ele chegou a fazer uma transmissão ao vivo em uma rede social, após ter sido repreendido em um mercado, na qual  No mês seguinte,  .

Na terça, Silveira chegou a Cumbica vindo do Rio e estava à espera de uma conexão para Brasília. No embarque, ele apresentou um atestado médico, que indicava a dispensa da máscara por cefaleia (dor de cabeça) crônica.

A equipe da companhia aérea não aceitou a justificativa, e houve bate-boca. A Polícia Federal foi acionada para intermediar a discussão. Após o incidente, a Gol remarcou o embarque para esta quarta-feira (27), mediante a utilização de máscara por Silveira.

Já em Brasília, o deputado divulgou na manhã desta quarta em suas redes sociais um vídeo no qual contou que está processando a companhia aérea, que "já fez mais de 40 voos sem máscara".

Afirmou também que se ampara na , que dispõe sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção individual na circulação em espaços acessíveis ao público, para o enfrentamento da pandemia da Covid-19.

A lei diz que a obrigação do uso "será dispensada no caso de pessoas com transtorno do espectro autista, com deficiência intelectual, com deficiências sensoriais ou com quaisquer outras deficiências que as impeçam de fazer o uso adequado de máscara de proteção facial, conforme declaração médica, que poderá ser obtida por meio digital, bem como no caso de crianças com menos de 3 (três) anos de idade".

No vídeo, Silveira citou outro motivo, além do suposto descumprimento da lei, para acionar a Justiça contra a Gol. Segundo ele, houve prática de crime de calúnia por uma funcionária da companhia aérea contra o chefe de gabinete do parlamentar – ele teria sido questionado por ela se a agrediria durante a confusão.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário